E nós, como actuamos?

Nos supermercados que cobram pelos sacos plásticos o seu uso cai quase para metade

03.06.2009, Ricardo Garcia, Público

Clientes que não têm de pagar usam mais sacos e trazem-nos mais vazios, revela estudo da Quercus

Toda a gente já o sabe na prática, mas aqui vão os números: nos supermercados que cobram pelos sacos plásticos de compras, a sua utilização cai quase para a metade. É o que revela um estudo da associação ambientalista Quercus, realizado em supermercados da Madeira.
Membros da Quercus estiveram à porta de vários estabelecimentos, a observar os clientes. E contaram, um a um, quem utilizava sacos plásticos novos ou recipientes reutilizáveis para carregar as compras. A experiência foi feita sem abordar os consumidores e sem que estes percebessem que estavam a ser observados. "A nossa ideia foi a de não condicionar o comportamento dos clientes", explica Hélder Spínola, dirigente da Quercus.
Os resultados são evidentes. Dos supermercados que distribuem gratuitamente os sacos plásticos (Modelo e Hiper Sá), 95 por cento dos clientes saíam a carregar sacos novos e apenas cinco por cento traziam reutilizáveis. Já entre os clientes de supermercados que cobram pelos sacos (Pingo Doce), a proporção é de 51 por cento e 49 por cento, respectivamente.
Os sacos gratuitos também estimulam o seu desperdício. Na prática, quem paga os sacos tende a aproveitar o seu volume - metade dos clientes (52 por cento) traziam-nos praticamente cheios, contra apenas 17 por cento dos consumidores que recebem os sacos gratuitamente.
A Quercus quer que todos os supermercados alinhem pela mesma medida e defende "legislação que obrigue à cobrança de uma taxa por cada saco de plástico entregue". O Ministério do Ambiente chegou a sugerir, em 2007, uma taxa de cinco cêntimos sobre cada saco. Mas o Governo recuou e pôs na gaveta uma proposta de decreto-lei que já estava elaborada.
A nível internacional, o principal exemplo é o da Irlanda, que em 2002 impôs sobre cada saco uma taxa de 15 cêntimos. Em três meses, a quantidade de sacos distribuídos nos supermercados caiu 90 por cento. Em 2006, apesar da taxa, o número de sacos por habitante subiu ligeiramente e o Governo irlandês decidiu aumentar o valor para 22 cêntimos.
Todos os anos são distribuídas cerca de duas mil toneladas de sacos plásticos no comércio.

(c) Público + Quercus

publicado por p3es às 13:54 link do post | comentar | favorito