Terça-feira, 08.02.11

O carregador único para telemóveis está a chegar à Europa

08.02.2011 - 14:50 Por Susana Almeida Ribeiro, in Público Tecnologia

Já aconteceu a toda a gente: estamos no escritório, o telemóvel apita continuamente avisando que a bateria precisa de ser recarregada, e não há ninguém que nos valha. Cada marca (e, muitas vezes, diferentes modelos da mesma marca) de telemóveis usa o seu próprio carregador. Soube-se hoje, porém, que estes dias de incompatibilidade estão para acabar.

O carregador único, mostrado na cerimónia desta terça-feira (Francois Lenoir/Reuters)

Há vários anos que a Comissão Europeia tem vindo a defender a ideia simples de um carregador comum compatível com telemóveis de todas as marcas. Finalmente isso está prestes a transformar-se em realidade, graças a um acordo de cooperação selado entre 14 fabricantes mundiais de telemóveis e a Comissão.

De acordo com um comunicado divulgado pela Comissão Europeia, o vice-presidente da Comissão, Antonio Tajani, recebeu hoje das mãos de Bridget Cosgrave, directora-geral da DIGITALEUROPE - a maior associação europeia de tecnologia digital - um exemplar de um carregador universal compatível para telemóveis.
A incompatibilidade dos carregadores de telemóveis não apenas provoca inconveniências para os utilizadores, como constitui, na União Europeia, uma importante questão do ponto de vista ambiental. Os utilizadores que pretendem substituir os seus telemóveis vêem-se, muitas vezes, obrigados a comprar novo carregador, independentemente do estado em que se encontra aquele que já têm.
“Congratulo-me com a apresentação do novo carregador de telemóveis com base na norma da UE, pelo que representa em termos de diminuição de custos. São boas notícias para os consumidores europeus que hoje anunciamos. Aguardamos agora que o novo carregador e os telemóveis compatíveis cheguem às lojas. Insto aqui a indústria a acelerar a sua introdução no mercado, de modo a que os cidadãos de toda a UE possam tirar partido do carregador universal o mais rapidamente possível”, afirmou Antonio Tajani, Vice-Presidente da Comissão e comissário responsável pela Indústria e pelo Empreendedorismo.
No comunicado da Comissão fica igualmente a saber-se que a UE trabalhará com a indústria de modo a que os consumidores europeus possam tirar proveito desta iniciativa “o mais rapidamente possível”. O mais provável é que isto venha a acontecer ainda este ano.
Os 14 fabricantes de telemóveis (Apple, Emblaze Mobile, Huawei Technologies, LGE, Motorola Mobility, NEC, Nokia, Qualcomm, Research In Motion - RIM, Samsung, Sony Ericsson, TCT Mobile - ALCATEL mobile phones, Texas Instruments e Atmel) podem agora avançar com o desenho pretendido e testar as alterações aos carregadores. A solução comum encontrada assente na tecnologia micro-USB. Para os telemóveis que não dispõem de uma interface micro-USB, o memorando de entendimento prevê um adaptador, indica ainda o comunicado da Comissão. O acordo abrange igualmente smartphones.
A campanha europeia está disponível no site One Charger For All.

Terça-feira, 23.11.10

Equipamentos em standby gastam 11% do consumo médio por habitação

De acordo com as edições on-line do Jornal de Notícias e do i de hoje ao início da noite, «Um estudo efetuado na União Europeia (UE) revela que o consumo médio de eletricidade dos equipamentos elétricos e eletrónicos em standby "representa cerca de 11 por cento do total" da energia anualmente consumida por habitação.

Os resultados da mesma investigação, envolvendo 12 países, entre os quais Portugal, onde é liderada pelo Instituto de Sistemas e Robóticas (ISR) da Universidade de Coimbra, foram hoje divulgados nesta cidade.

A manutenção em standby (modo de espera ou suspensão) ou mesmo desligado (off-mode) de alguns equipamentos (apesar de estarem desligados no botão, continuam a consumir energia) significa um gasto "médio anual de 305 quilowatts/hora" por habitação, de acordo com o estudo, revelou Aníbal Traça de Almeida.

O investigador do ISR e coordenador do estudo falava hoje à tarde, em Coimbra, no auditório da EDP, na apresentação das conclusões da investigação, que, iniciada em 2008 e denominada SELINA (Standby and Off-Mode Energy Losses In New Appliancesa Measure in Shops), contou com o apoio da Agência da Comissão Europeia para a Competitividade e Inovação.

Em Portugal, no entanto, as perdas médias de eletricidade com os modos standby e off-mode são da "ordem dos 7 %", contra os referidos 11 % das habitações europeias, disse à agência Lusa, à margem da sessão, Aníbal Traça de Almeida.

Tal circunstância não se deve, porém, ao comportamento dos consumidores, mas antes ao facto de os equipamentos elétricos e, sobretudo, eletrónicos estarem menos generalizados em Portugal do que noutros países da Europa, sublinhou.

Entre outros resultados, o estudo - que envolveu mais de 9000 inquiridos, incluindo lojistas, e 1300 habitações, e implicou a medição de mais de 6000 equipamentos - concluiu que "as consolas de jogos consomem quase tanta eletricidade em standby como quando se está a jogar".

Também as máquinas de café "podem causar grandes perdas de energia em standby" ou "mesmo desligadas" no botão, exemplificou, durante a sessão, Traça de Almeida, referindo que essas perdas podem representar uma média anual de 60 kwh, que significam, no nosso país, 9,6 €.

Equipamentos como subwoofer, gravadores de disco rígido, modems, routers ou gravadores de DVD podem, em standby ou off-mode, gastar, por ano, entre 4 e 7 kwh, que equivalem, em Portugal, a valores que oscilam entre os cinco e os oito euros.

"Em toda a UE pode ser poupado cerca de um bilião de euros", bastando apenas desligar a Internet quando não está a ser usada, afirma o investigador do ISR, sublinhando que este consumo equivale a 3,5 milhões de toneladas de CO2.

No âmbito do estudo, que abrangeu Portugal, Alemanha, França, Dinamarca, Letónia, Roménia, República Checa, Bélgica, Inglaterra, Áustria, Grécia e Itália, foi editado um "guia do consumidor em consumos standby", com algumas conclusões da investigação e no qual são adiantados procedimentos para o consumidor não "desperdiçar a sua eletricidade".»

Don't stantby!

E que tal ajudar a poupar o planeta - e a sua conta bancária - desligando os stanby's e off-modes aí de casa?

Quinta-feira, 03.12.09

Lâmpadas economizadoras

Como informado em postagem anterior, no próximo dia 15 de Dezembro haverá na Escola Sessões de Sensibilização para a Racionalização do Consumo Energético, às quais se seguirá a troca de lâmpadas de incandescência por lâmpadas economizadoras (fluorescentes compactas ou PL): uma lâmpada "velha" vale quatro "novas"!

Mas se para muitos elas já fazem parte do seu dia-a-dia, para muitos outros ainda há muitas dúvidas relativamente a este tipo de lâmpada e à sua utilização:

    - se são mais caras, por quê usá-las? 

    - muitas delas têm uma cor de luz "que magoa os olhos";

    - são maiores e não cabem nos candeeiros existentes;

    - mas afinal quais são as diferenças entres elas e as lâmpadas comuns?

    - não posso continuar as lâmpadas que até aqui tenho vindo a usar?

    - etc., etc. 

Muitas destas dúvidas - e muitas outras aqui não descritas - podem facilmente ser dissipadas com uma rápida consulta a alguns dos sites seguintes:

    - OSRAM: Lâmpadas economizadoras de energia;

    - DECO: Lâmpadas economizadoras: poupe 9 euros por ano;

    - Portal do Ambiente e do Cidadão da Maia:

        = Gasto no arranque inicial da lâmpada;

        = Onde depositar as lâmpadas economizadoras quando já não as podemos utilizar? (A este respeito consultar também o site da Amb3E e ver o vídeo da Euronews "reciclagem de lâmpadas").

Em última análise, cá estará o P3E's disposto a ajudar e a esclarecer as dúvidas. Escrevam-nos!

Os 3E's...

Desde 18 de Julho de 2008, quando foi foi elaborado e apresentado à Gestão da Escola o nosso Projecto, que ele se auto-intitulou P3E's - Projecto Escola Energeticamente Eficiente.

O seu logotipo apareceu mais tarde: idealizado por um grupo de alunos do 7.º ano, foi divulgado neste blogue a 12 de Novembro de 2008.

Entretanto... acabamos de ter conhecimento de que, desde 13 de Março de 2006, existe uma Amb3E - Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos, uma associação de direito privado sem fins lucrativos, que conta actualmente com 60 empresas associadas e mais de 800 aderentes, e cuja finalidade é a gestão de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos.

Ou seja, todos os 3e - equipamentos eléctricos e electrónicos em fim de vida deverão ser geridos e 'reciclados' pela Amb3E...

E mais! A Amb3E tem, desde há três anos lectivos para cá, o Projecto Escola Electrão, destinado às Escolas dos 2.º e 3.º ciclos, cujo objectivo primordial é... fazer exactamente o mesmo que andamos a fazer desde o início do passado ano lectivo no P3E's!

 

Resumindo: mais uma vez andamos a trabalhar em paralelo...

=====================================


Em tempo: Programa para a Eficiência Energética em Edifícios - P3E promovido pela DGE e apoiado pelo POE, tem como objectivo final a melhoria da eficiência energética dos edifícios em Portugal.

E esta, heim? 

publicado por p3es às 19:13 link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Hora atual

Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

últ. comentários

links

blogs SAPO


Universidade de Aveiro